quarta-feira, 27 de maio de 2020

Inauguração: curso de Jaimini jyotiṣa - Inscrições até o dia 17 de julho

No dia 24 de julho darei início a um curso online de Jaimini jyotiṣa. Trata-se de um curso introdutório ao assunto, ainda que bem rico em informação. Todo o conteúdo apresentado ao longo das aulas será abalizado nas fontes tradicionais do sul da Índia, tais como o Jātaka sāra saṅgraha, o Jyotiṣa phala ratna mālā, a Kalpalatā e outros, assim como também nos escritos e ensinamentos de Irangati Rangācharya e de seu aluno, Shanmukha Teli, com quem venho estudando esse método desde 2015. Inclusive, para quem não tem muita informação sobre a escola Jaimini de jyotiṣa, recomendo a leitura deste artigo. Basicamente essa é uma vertente fascinante da astrologia indiana, mas também muito velada e incompreendida fora dos círculos tradicionais do sul da Índia, que foi onde essa escola se desenvolveu melhor.

As aulas que darei ao longo do curso serão vinte, durando cinco meses, ou seja, teremos uma aula por semana e com duração de no máximo 1h30min. Todas as aulas teóricas incluirão PDFs para estudo, mapas para exemplificação, referências bibliográficas e, além disso, também gravarei o conteúdo de todas as aulas em áudio para que possam ouvir novamente, o que, inclusive, viabiliza o curso àqueles que não tem condições de comparecer aos encontros online.

A programação será a seguinte:

1. Introdução ao Jaimini jyotiṣa
2. Viśeṣa lagnas (ascendentes especiais) & as quatro fontes de força
3. Yogadas & argalas
4. Chara kārakas & svāṁśa lagna (ascendente derivado a partir do ātmakāraka)
5. Ārūḍhas
6-7. Yogas
8. Āyurdāya (método de determinação da longevidade)
9. Darpaṇa & śūla daśā (daśās para determinar o período da morte)
10. Sthira daśā (daśā para determinar o período da morte)
11. Chara, trikoṇa & chara paryāya daśā (daśās para predição de eventos gerais)
12. Checklist de delineação
13-20. Aulas práticas

sábado, 23 de maio de 2020

Cursos online de astrologia indiana para o segundo semestre de 2020 - inscrições até o dia 10 de julho

Abrirei no mês de julho vagas para os meus três cursos online de jyotiṣa, de nível I, II e III. No caso, o curso de nível I é o de fundamentos básicos do jyotiṣa, o de nível II é o curso de yogas, as configurações dos grahas, enquanto o de nível III é o de técnicas preditivas como daśās, trânsitos e revolução solar (varṣaphala).

A data máxima de inscrição vai até o dia 10 de julho, portanto, os interessados devem me contatar até lá via e-mail (jyotishabr@gmail.com), ou whatsapp (12996242742).

Abaixo dou maiores informações sobre cada um dos cursos separadamente, o que inclui valores:

NÍVEL I - FUNDAMENTOS BÁSICOS DO JYOTIṢA

Esse curso é focado no método descrito por Varāhamihira em seu Bṛhat jātaka e que foi expandido na Sārāvalī, Phaladīpikā e Jātaka pārījāta, os quais integram os quatro principais textos de jyotiṣa. No entanto, também complementaremos o nosso estudo com outras referências clássicas, tais como o Bṛhat Parāśara horā śāstra e o Sarvārtha chintāmaṇi.

O curso tem extensão de cinco meses e abrange os seguintes tópicos:

1. Introdução ao jyotiṣa
2. Karma, reencarnação e destino (daiva)
3. Os doze signos (rāśis) e o āyanāṁśa (precessão dos equinócios)
4. Os nove planetas (grahas)
5. Olhares dos planetas (graha-dṛṣṭis)
6. Avaliando a força dos planetas (graha-bala)
7. As divisões de um signo (vargas)
8. As doze casas (bhāvas)
9. Kendras (1, 4, 7 e 10) & koṇas (5 e 9)
10. Upachayas (3, 6, 10 e 11), dusthānas (6, 8 e 12) & mārakas (2 e 7)
11. Natureza funcional dos planetas para cada ascendente
12. O processo de delineação
13-19. Aulas práticas
20. Pacificação dos planetas (graha-śāntiḥ)

Com este curso, o aluno poderá compreender como a delineação de um mapa deve ser realizada, o que o tornará apto a interpretar um horóscopo a um nível básico ou intermediário, a depender de seu empenho.

quinta-feira, 19 de março de 2020

Corona vírus: uma perspectiva astrológica

De uns dias para cá muitas pessoas tem me solicitado uma explicação astrológica sobre o que está ocorrendo no mundo, portanto, decidi escrever algo do que percebo.

Em 26.12.2019 ocorreu um eclipse solar em sagitário, envolvendo também Júpiter em uma orbe estreita com a dos luminares. Esse eclipse foi visível na Ásia e também na Austrália. A princípio, por Júpiter participar da configuração e Saturno estar distante longitudinalmente, embora também em sagitário, minha ideia foi de que esse não seria um eclipse tão negativo assim, pois há instruções nas escrituras de astrologia que dizem que quando um benéfico predomina sobre um eclipse, seus efeitos serão positivos. Bem, ocorreu o contrário, o efeito foi muito negativo, pois na Austrália ocorreram incêndios gigantescos, enquanto que na Ásia surgiu o corona vírus, justamente no fim do mês de dezembro.

Creio que a razão de Júpiter não ter amenizado os efeitos do eclipse se deve ao fato dele ter ficado combusto no dia do eclipse. Sua orbe em relação aos luminares era de apenas 2º, o que tornou essa uma combustão muito severa.

Quando há aflições significativas a Júpiter, isso afeta o ākāśa, o elemento éter, que é responsável por acomodar todas as coisas, mantendo-as unidas e em harmonia. Logo, com sua aflição, invés de harmonia, o que obtemos é exatamente o oposto: desarmonia, caos, conflitos, imoralidade e impiedade. Naturalmente, isso inclui também epidemias, pois aflições a Júpiter evocam a ira dos devas, que é uma das três fontes de sofrimento nesse mundo (as outras duas são os sofrimentos causados por nós mesmos e por outros seres). O termo sânscrito usado para se referir a isso é adhidaivika-kleśa, o que inclui todos os tipos de desequilíbrios da natureza, os quais refletem a ira dos devas (que personificam as forças da natureza) em relação a impiedade e o egoísmo humano.

quarta-feira, 8 de janeiro de 2020

Cursos online de astrologia indiana para o primeiro semestre de 2020 - inscrições até o dia 7 de fevereiro

Abrirei no mês de fevereiro duas turmas online, uma para o curso de fundamentos básicos do jyotiṣa e outra para o curso de yogas, as configurações dos grahas. O curso de fundamentos básicos começa no dia 10 de fevereiro, enquanto o de yogas tem início no dia 12. Interessados devem me contatar via e-mail (jyotishabr@gmail.com) ou whatsapp (12996242742) até no máximo o dia 7 de fevereiro, que é também a data limite de pagamento.

Abaixo dou maiores informações sobre cada um dos cursos separadamente, o que inclui valores:


FUNDAMENTOS BÁSICOS DO JYOTIṢA
Esse curso é focado no método descrito por Varāhamihira em seu Bṛhat jātaka e que foi expandido na Sārāvalī, Phaladīpikā e Jātaka pārījāta, os quais integram os quatro principais textos de jyotiṣa. No entanto, também complementaremos o nosso estudo com outras referências clássicas, tais como o Bṛhat Parāśara horā śāstra e o Sarvārtha chintāmaṇi.
O curso tem extensão de cinco meses e abrange os seguintes tópicos:

1. Introdução ao jyotiṣa
2. Karma, reencarnação e destino (daiva)
3. Os doze signos (rāśis) e o āyanāṁśa (precessão dos equinócios)
4. Os nove planetas (grahas)
5. Olhares dos planetas (graha-dṛṣṭis)
6. Avaliando a força dos planetas (graha-bala)
7. As divisões de um signo (vargas)
8. As doze casas (bhāvas)
9. Kendras (1, 4, 7 e 10) & koṇas (5 e 9)
10. Upachayas (3, 6, 10 e 11), dusthānas (6, 8 e 12) & mārakas (2 e 7)
11. Natureza funcional dos planetas para cada ascendente
12. O processo de delineação
13-19. Aulas práticas
20. Pacificação dos planetas (graha-śāntiḥ)

Com este curso, o aluno poderá compreender como a delineação de um mapa deve ser realizada, o que o tornará apto a interpretar um horóscopo a um nível básico ou intermediário, a depender de seu empenho.

O valor do curso é de R$ 1600,00 à vista ou R$ 1680,00 parcelado via PAGSEGURO em até 12x. As aulas são semanais, dadas via Zoom (vídeo-conferência) e serão todas gravadas em áudio para que os alunos possam estuda-las posteriormente, o que é especialmente útil para aqueles que não podem comparecer com regularidade as aulas online. Além disso, o curso inclui PDFs riquíssimos e muitos mapas para exemplificação.

quinta-feira, 5 de dezembro de 2019

Curso online em janeiro sobre daśās, trânsitos e revoluções solares (varṣaphala)

Podemos resumir o estudo de um mapa em duas fases: delineação, que envolve o estudo e a determinação das promessas do mapa, e predição, que envolve prever quando trais promessas se manifestação. No caso, para prever, um astrólogo faz uso de técnicas que trabalham com um tempo simbólico, as daśās, e técnicas que lidam com o tempo real, ou seja, os trânsitos (gochara) e revoluções solares (varṣaphala), com os quais se pontua o momento mais aproximado de manifestação dos eventos indicados pelas daśās.

Agora em janeiro estarei dando início a um curso online focado justamente nessas técnicas preditivas, ou seja, daśās, trânsitos e revoluções solares. Trata-se de um curso mais avançado e que, portanto, demanda o conhecimento básico de delineação, uma vez que antes de prever, precisamos saber delinear bem um horóscopo.

Os temas que serão abordados no curso são:

1. Udu daśās (viṁśottarī, yogini e outras)
2. Graha-phala (os resultados das daśās)
3. Daśā & bhukti (como prever usando períodos maiores e menores)
4. Yoga-daśā-phala (determinando quando os yogas darão seus frutos)
5. Māraka-daśā-phala (determinando o momento da morte ou fases difíceis para a saúde)
6. Gochara (trânsitos)
7. Aṣṭakāvarga
8. Varṣaphala (revolução solar)
9. Prevendo eventos
10-16. Aulas práticas

O curso será dado via Zoom, compreende gravações em áudio das aulas e PDFs para estudo que serão enviados por email juntamente de mapas para exemplificação e estudo. O valor do curso é de R$ 1500,00 à vista, podendo também ser parcelado em até 12x via PagSeguro. Sua duração é de quatro meses, ou seja, teremos uma aula por semana, começando no dia 16 de janeiro (quinta-feira) e mantendo as aulas durante as quintas, às 19hrs. Porém, formada a turma, posso rever os dias e horários, de forma que fique confortável para todos.

Como as aulas serão gravadas, não é necessário que todos estejam presentes na aula online. Logo, esse é um curso que não impossibilita a participação daqueles que não poderiam comparecer as aulas, uma vez que terão acesso as gravações semanais para poderem estuda-las no seu próprio tempo.


Interessados devem me contatar via e-mail (jyotishabr@gmail.com) ou whatsapp (12996242742) até no máximo o dia 10 de janeiro, que é a data limite para o pagamento.

oṁ tat sat

terça-feira, 3 de dezembro de 2019

Trânsitos de dezembro de 2019

Em dezembro, ocorrem os seguintes trânsitos:

04.12 Mercúrio ingressa escorpião.
11.12 ocorre um apasavya-graha-yuddha entre Vênus e Saturno à 24º de sagitário, com Vênus sendo o vencedor.
15.12 Vênus ingressa capricórnio.
16.12 dhanu-saṁkrānti (Sol ingressa sagitário).
25.12 Mercúrio ingressa sagitário e Marte ingressa escorpião.
26.12 ocorre um eclipse solar anular à 10º de sagitário.
27.12 ocorre uma conjunção entre Sol e Júpiter à 11º de sagitário.

Algumas das minhas inferências sobre essas configurações são:

(1) O signo de sagitário segue bastante ativo ao longo do mês, com Júpiter, Saturno, Vênus e Ketu o ocupando, sendo que Vênus sai de sagitário no dia 15, mas já no dia seguinte temos o ingresso do Sol no signo, e no dia 25 Mercúrio é que ingressa sagitário. No dia 26 teremos um eclipse solar anular também em sagitário, seguido no dia 27 de uma conjunção exata entre o Sol e Júpiter.

O que se deve notar, nesse caso, é o que sagitário representa no seu próprio mapa. Pois sem dúvida esses temas serão ativados, especialmente se estiver vivendo o período de algum dos grahas que estarão transitando o signo. Desses, Júpiter é naturalmente o mais importante, por ser o senhor do signo e, portanto, o dispositor de todos os demais que o transitam. Inclusive, como Júpiter fica combusto em boa parte do mês, note como isso afetará de forma negativa os temas a que ele se relaciona em seu mapa natal, especialmente porque isso se somará as conjunções com Saturno e Ketu, dois maléficos.

Um exemplo ilustrativo, envolvendo alguém cujo ascendente é touro, seria o de um problema envolvendo a família da esposa, os recursos dela ou mesmo uma doença se desenvolvendo ao longo desse período, afinal a configuração se daria no oitavo signo com uma confluência maléfica reforçada ainda pelo eclipse solar e a combustão do senhor do oitavo signo. Porém, esse também pode ser um indicativo de heranças ou obtenção de outros benefícios envolvendo recursos de outras pessoas, o que só pode ser definido a partir das próprias especificidades do mapa, obviamente.

Outro exemplo seria o de alguém cujo ascendente é áries, com a configuração se dando no nono signo. Nesse caso, algum tipo de problema envolvendo o relacionamento do indivíduo com seus professores ou mesmo um problema para um de seus professores ou a uma pessoa mais velha de sua família pode se dar. Talvez, inclusive, nem seja o caso de algo negativo ser ativado, mas sim algo positivo em meio a circunstâncias mais árduas ou agitadas, uma vez que nem sempre a ativação de um tema carrega consigo uma temática negativa simplesmente por envolver os maléficos. Isso se dá porque a condição dos planetas no mapa natal modifica os efeitos desses em seus trânsitos, isso para não falar também de como suas regências modificam o impacto que geram em um trânsito, ou como a própria daśā vigente é importante, uma vez que prioriza certas coisas.

quarta-feira, 27 de novembro de 2019

Signos inteiros, casas iguais ou quadrantes? O que adotar?

Os primeiros livros de astrologia de que temos notícia não diferenciam signos de casas. Seja na tradição helenística ou indiana, a ideia é a mesma: uma vez determinado o signo ascendente, o segundo signo tratará dos temas de dois, o terceiro dos temas de três, e assim por diante. Não importa se o ascendente está a 29º de um signo, todo o signo representará os temas do ascendente, enquanto a mesma ideia se aplica aos demais signos.

Esse sistema, denominado “signos inteiros” ou whole-sign houses (WSH) era o padrão vigente até o século IX. Não que os astrólogos do passado não sabiam ou não usavam os sistemas de casas iguais (bhāva-chakra) ou de quadrantes (bhāva-chalita), na verdade eles já tinham conhecimento desses sistemas, mas não parece que nessa época os tópicos eram atribuídos as casas calculadas matematicamente com base nas divisões terrestres. Os tópicos pertenciam aos signos, ao passo que os sistemas de casas, especialmente o de casas iguais, mostraria o quão eficiente um graha seria em manifestar os temas indicados pelo signo que ele ocupava, conforme sua distância da cúspide da casa. Além disso, há exemplos de alguns usos bem específicos dos sistemas de quadrantes na tradição helenística, o que limitaria sua aplicação apenas para contextos bem definidos, ou seja, eles não seriam usados para determinar tópicos.

Um exemplo pode tornar as coisas mais claras: suponhamos que alguém possua Maṅgala (Marte) em leão e o seu signo ascendente seja virgem. No caso, Maṅgala ocupa o décimo-segundo signo a partir de virgem, o ascendente, logo ele trata dos temas de doze. Mas se em um sistema de casas como o bhāva-chakra ou o bhāva-chalita esse Maṅgala desliza para a casa seguinte ou anterior, ele continuará a falar sobre os temas de doze, mas com uma capacidade de impacto sobre tais temas já reduzida. Alguns diriam que Maṅgala, nesse caso, falaria sobre ambos os temas, os da décima-segunda e também da outra casa ocupada por quadrante (bhāva-chalita) ou divisões iguais (bhāva-chakra). Mas, eu particularmente cheguei à conclusão de que, embora isso tenha sua lógica, acaba que torna as coisas mais complicadas e, por sinal, não sou só eu quem pensa isso, muitos outros astrólogos, dedicados ao jyotiṣa ou mesmo a astrologia helenística, em particular, optam por usar signos inteiros para determinar os tópicos a que um graha se refere.